Gordo e magro
ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL



Evitar alimentos que contenham açúcar.
Evitar alimentos que contenham farinha de trigo.
Moderar leite e laticínios.
Moderar o consumo de sal (máx: 06g/dia).
Consumir ovos, grãos, legumes, leguminosas, frutas e carne.
Evitar bebidas alcoólicas.
Beber bastante água.

A farsa do açúcar

O açúcar é desnecessário como alimento. Cada vez mais purificado, o açúcar de cana se transformou em sacarose branca. Um pó branco. A sacarose concentrada a mais de 90% é um carboidrato de elevado poder calórico e de liberação de glicose no sangue. Um alimento vazio de nutrientes, ao contrário, rico em aditivos e resíduos de um processo físico-químico, razão pela qual devemos considerar o açúcar como um não alimento, desprovido de energia vital. O que o corpo humano realmente necessita é de glicose, ou seja, o tijolo básico dos carboidratos. Mas essa glicose pode ser facilmente obtida a partir de uma alimentação balanceada, onde frutas, cereais integrais, legumes e hortaliças são consumidas diariamente. A glicose é o principal combustível do ser humano, portanto é muito importante para o seu pleno metabolismo, quando gera energia de crescimento, regeneração, movimento, pensamento e manutenção. Consumida de forma correta, de fontes naturais, que inclusive o organismo precisa digerir para obtê-la, existem tempos e condições que só fortalecem e favorecem o organismo. Açúcar é superabundância de energia química concentrada. Açúcar refinado é sempre excesso de energia, acima das necessidades reais. E uma vez ingerido, esse excesso:

• vira depósito de gordura corporal nas vísceras, órgãos e sistemas
• causa maior demanda de energia metabólica (estresse metabólico) para contornar as desarmonias energéticas geradas
• envelhece precocemente pois a célula só usa o que necessita, todo o resto passando a ser um estorvo metabólico
• estimula excessivamente o pâncreas
• deprime o sistema imunológico
• desmineraliza os órgãos, incluindo problema de anemia, dentes e ossos
• subnutre pela depressão de enzimas digestivas, causando portanto pobre aproveitamento e fixação de nutrientes
• causa problemas digestivos como gases, constipação intestinal e etc.

Carência de cálcio, magnésio e ferro aumentam quanto maior a ingestão do açúcar. Podemos afirmar então que o açúcar é descalcificante, desmineralizante, desvitaminizante, um agente de desarmonização metabólica. Todo alimento classificado como carboidrato ou energético, que são os cereais e suas farinhas, as frutas, os legumes e as verduras, são assim denominados porque se transformam em glicose durante seu processo digestivo. Também uma pequena parte das carnes e até mesmo das sementes se converte em glicose. Numa alimentação balanceada e consciente, esta é a rota energética natural de suprirmos as necessidades bioquímicas do corpo. A alimentação natural, sem aditivos doces, contém quantidades suficientes de glicose e energia. Não são necessários aditivos adoçantes, nem açúcar. Quem consome muito açúcar torna-se um dependente orgânico, e quanto mais intoxicado mais deseja açúcar, mais sedentário, porque tende a ter menos força física, emocional e mental. Grandes consumidores de açúcar geralmente são fracos, cansados, e acreditam que não podem fazer nada sem consumir um pouco de doce. O brasileiro consome em média 06kg de açúcar por mês. Um cidadão brasileiro de 40 anos já fez passar pelo seu organismo algo como 03 toneladas de açúcar !!!

Como perder o excesso de gordura corporal?

Refeição balanceada é aquela que contém os três tipos de alimentos fundamentais para o perfeito funcionamento metabólico do organismo:

• alimento energético – que são os carboidratos, fontes de glicose
• alimento de construção celular – que são aqueles ricos em proteínas
• alimento de construção hormonal – que são as gorduras nutricionais

Infelizmente, muitas pessoas não sabem realmente o que é um carboidrato. A maioria dirá que os carboidratos são massas e doces. Ignoram que legumes, feijões, frutas e hortaliças são igualmente carboidratos. Quando ingerimos carboidratos que se transformam em glicose muito rapidamente, ou em demasia, haverá um aumento rápido do nível de glicose na corrente sanguínea, ou seja, um pico glicêmico acima de 120mg/dl. Para adaptar-se a esse aumento vertiginoso e perigoso de glicose no sangue, o pâncreas rapidamente secreta um hormônio chamado insulina. A insulina é basicamente um hormônio de armazenamento, porque transforma o alto nível de glicose no sangue em acúmulo de gordura corporal. Em outras palavras, quando ingerimos muito carboidrato, ou carboidratos muito rápidos, estamos enviando uma mensagem hormonal às células de gordura, via insulina, que é: ARMAZENE GORDURA. Pior ainda, os maiores níveis de insulina não só dizem ao corpo para armazenar gordura como também informam-no para que não libere nenhuma gordura armazenada. Portanto, o excesso de carboidratos na sua alimentação não só faz com que você engorde, como garante que você permaneça gordo. Triplamente pior é que o excesso de insulina na corrente sanguínea reduz a taxa de glicose para níveis menores de 80mg/dl, a conhecida hipoglicemia, e o cérebro, para não interromper suas funções vitais, inicia um comando de fome, exigindo o consumo de mais carboidrato. Ou seja, você acaba de comer um doce, o organismo passou por uma enorme desarmonia, armazenou gordura, entrou em estresse e já está de novo com fome de mais doce. Os carboidratos são de dois tipos:
• rápidos ou simples – menos recomendáveis – também classificados como de alto valor glicêmico, pois após sua ingestão, libera, rapidamente a glicose para a corrente sanguínea
• mais lentos ou complexos – mais recomendáveis – também classificados como de baixo valor glicêmico, pois após sua ingestão, liberam a glicose para a corrente sanguínea de forma lenta e gradual
O estômago é basicamente um reservatório de enzimas digestivas que decompõem todos os carboidratos – seja um bolo, um pão, brócolis, alface ou aveia, em glicose.

ÍNDICE GLICÊMICO (IG)

Alto índice glicêmico: pão, arroz, granola, batata inglesa, cenoura cozida, beterraba cozida, cerveja, karo (xarope de milho), mel, melado, geléias, milho, aveia, banana, abacaxi pérola, mamão papaia, manga, caqui, uva passa, ameixa seca, biscoitos, doces, bolos, massas, salada de frutas, frutas em calda, frutas cristalizadas, sucos.

Cereais, farinhas e massas

Durante o processo de produção da farinha de trigo ou do arroz, são retiradas as camadas superiores e o embrião do grão. Mas, justamente estas partes são as que contém óleos nutricionais, proteínas vegetais, sais minerais, enzimas, vitaminas e fibras. O que resta após o refino, embora muito bonito e com facilidades culinárias, do ponto de vista fisiológico da nutrição, apresenta muito baixo valor nutritivo. São os chamados alimentos vazios, que aqui no caso, podem ser considerados como exageradamente energéticos. Reduza ao mínimo o consumo de alimentos industrializados instantâneos, pois eles já passaram por um processo de pré-cozimento, com quebra enzimática e degradação térmica.

Legumes, frutas e hortaliças

Os legumes e hortaliças, assim como as frutas, devem ser preferencialmente consumidos frescos e não cozidos e, sempre que possível, preservando as cascas. Assim, manteremos os valores nutricionais ao máximo. Os legumes devem ser armazenados em local escuro e arejado, mas separados das frutas. As secreções das frutas podem acelerar o processo de amadurecimento dos legumes. Legumes, frutas e hortaliças contêm alto valor nutritivo e baixo valor calórico (com exceção de algumas frutas que são muito doces). Seu consumo evita o excesso de peso, ou melhor, ajuda na perda de peso, quando ingeridos balanceadamente. O organismo necessita de água, vitaminas, sais minerais, e enzimas como meio de transporte e nutrição das células e novamente da água e das fibras para eliminar os resíduos e toxinas do nosso corpo. Neste processo, as frutas, legumes e hortaliças, com seu alto teor de água e fibras têm um papel muito importante.

Ultimamente tem-se focado muito o uso inadequado de agrotóxicos e fertilizantes químicos para assegurar o aumento da produtividade na agricultura. Tais recursos agrícolas e os alimentos advindos desta cultura prejudicam não somente a saúde humana como a de toda a flora e fauna, além de fragilizar e empobrecer completamente os solos deste planeta. Receitas para tratar nossos alimentos da terra:

• lave bem as verduras, legumes ou frutas com água corrente
• ao lavar os legumes que têm casca mais rude, é fundamental usa a esponja ou escova
• coloque uma solução de limão (suco de um limão + casca) ou 10 ml de tintura de iodo a 2% em dois litros de água
• deixe de molho por pelo menos 30 minutos
• jogue toda água fora e lave novamente com água corrente

A batata inglesa é um legume muito glicêmico porque só contém amido e água, praticamente sem fibras. As demais batatas (baroa, doce, cará e inhame), são alimentos muito mais valiosos em termos de qualidade nutricional e terapêutica. A cenoura e a beterraba são legumes também altamente glicêmicos, por conterem alto teor de açúcar, mas são alimentos de altíssimo valor nutricional. Uma dica interessante é comê-las cruas acompanhando saladas.

Para as crianças, adolescentes e adultos que não têm muito o hábito de comer frutas, saladas e legumes, valem as seguintes sugestões:

• reduza lenta e gradualmente a compra no supermercado de guloseimas como salgadinhos, biscoitos e doces
• prontifique-se a descascar as frutas (muitas vezes eles não comem frutas por preguiça de descascá-las)
• para temperar legumes cozidos ou saladas, prepare molhos saudáveis e criativos

Dra Rosane Ornellas Joenck, CRM 15049-PR
ENDOCRINOLOGISTA

Consultório: VITALCLIN, Rua Alberto Folloni, 1093   fone 3014-0507

 
 
   

Rua Alberto Folloni, 1093 | Curitiba PR | CEP 80540-000 | Tel 41 3014-0507 | Fax 41 3252-6355 | faleconosco@vitalclin.com.br